Letras

Lamento de Caboclo




Por um trilho estreito, entre samambaia,
De chapéu de palha, eu ia pra mina
Enchia o corote, com a canequinha
De água fresquinha, limpa e cristalina
Depois me sentava no barranco ao lado
E entusiasmado eu ficava olhando
A queda da água rodando moinho
E no ribeirãozinho o monjolo malhando

À tarde eu deixava o monjolo parado,
E o arroz socado eu levava pra janta
Corria na venda, comprava envelope,
Voltava a galope no cavalo pampa
Tomava um chazinho, jantava bastante,
Achava importante escrever pros parente
Contando que a roça estava limpinha
E que ninguém tinha ficado doente

Mas minha pobreza foi contaminando
Aos pouco tirando esta felicidade
Embora a roça fosse um berço sagrado
Me vi obrigado a mudar pra cidade
Passei a comer só arroz de pacote,
Troquei o corote por filtro esmaltado
Nem carta escrevo, pois vivo sozinho,
Só vejo moinho no supermercado

Se vejo monjolo é movido a motores,
Só em casa de flores, vejo samambaia
Mas fico orgulhoso por ver margaridas
Limpando avenida de chapéu de palha
A grande saudade, que tenho guardada,
Será revelada se um dia eu voltar
Então pedirei perdão ao presente
Pra eternamente na roça eu ficar


Composição: Carlos Cezar/ Morgado


Postar um comentário

0 Comentários